Notícias

Municípios fronteiriços estão à mercê do crime organizado internacional, mostra CNM há anos

Quarta, 25 de janeiro de 2017.

25012017_Aduana_SenadoPaís de dimensões continentais, o Brasil possui fronteiras com outros países sul-americanos em Municípios localizados nos Estados do Sul, do Norte e do Centro-Oeste. Ao todo são 588 cidades e é principalmente por estas faixas de fronteira por onde entram em território nacional um arsenal gigantesco de drogas e armas que abastecem o perigoso e lucrativo mercado do crime organizado.

Há anos, a Confederação Nacional de Municípios (CNM) tem mostrado os problemas da região fronteiriça brasileira, inclusive em relação à falta de segurança e da facilidade com que armas e drogas ingressam em território nacional. O assunto foi tema de matéria desta quinta-feira, 25 de janeiro, no Bom Dia Brasil, da Rede Globo de Televisão. A reportagem abordou a fragilidade na segurança das fronteiras, que facilita a atuação das facções criminosas no país.

Em 2013, a Confederação fez um estudo para mapear a realidade dos Municípios localizados nas fronteiras brasileiras. Em 2016, novo estudo foi produzido. A entidade contatou todas as Prefeituras, solicitando a indicação de um gestor que ficou responsável por responder ao questionário que embasou o trabalho. Destes Municípios, 366 foram pesquisados, totalizando aproximadamente 62%. Da pesquisa foi produzido o estudo "Os Municípios na faixa de fronteira e a dinâmica sobre as drogas".

No que se refere à segurança pública, os dados coletados indicaram que já em 2013 se tratava de um fator extremamente delicado. Isso se deu pela identificação de uma notável ausência de pessoal, estrutura e equipamentos adequados para a fiscalização nas fronteiras, bem como a deficiência de forças de segurança pública. Até hoje Estes fatores contribuem diretamente para o alto índice de violência nos Municípios fronteiriços estudados .

Geografia do crime
Dos 588 Municípios fronteiriços, 98 estão na região Norte, 72 no Centro-Oeste e 418 no Sul. A região Norte, considerada a mais ampla do país com aproximadamente 3.869.637 km², possui fronteira com sete países, entre eles a Colômbia, um dos maiores produtores de cocaína do mundo. Dos 27 Municípios estudados, 81% afirmaram ser rota de tráfico internacional.

No Centro-Oeste, Mato Grosso (MT) e Mato Grosso do Sul (MS) são os dois únicos estados que possuem Municípios considerados de fronteira, num total de 72. Destes, 41 responderam a pesquisa da CNM. Um dado alarmante é que a grande maioria, ou 88%, confirmaram ser rota de tráfico. A proximidade com a Bolívia, grande produtor de cocaína, e o Paraguai, maior produtor de maconha da América Latina, fazem com que a região seja uma importante rota do tráfico de entorpecentes tanto para o consumo interno, quanto para exportação.

No Sul do país, menor região entre as cinco, constam 418 Municípios considerados de fronteira. Desses, 298 responderam à pesquisa, o equivalente a 71%. Os dados indicam que, comparado às duas regiões anteriores, a situação parece ser menos grave. Dentre as três regiões pesquisadas, a Sul é a que menos sofre com a questão do tráfico nas fronteiras. Pouco mais da metade dos Municípios pesquisados, ou 54%, declararam ser rota do crime. Mesmo assim o número liga o sinal de alerta para a questão do combate a entrada de drogas vindo de outros países por estas cidades. Um fator determinante para isso é que existem postos de alfândega em apenas 2% das localidades pesquisadas.

Observatório do Crack
A CNM criou em 2010 o hotsite Observatório do Crack. A ferramenta nasceu de uma necessidade dos gestores municipais que começaram a entrar em contato com a Confederação, abordando a droga que assolava o país causando severos danos aos usuários e a sociedade em geral.

A partir destes questionamentos e dos estudos realizados pela entidade, o Observatório do Crack tomou forma. No espaço virtual gestores poderão encontrar estudos, gráficos, documentos como Decretos, Leis e Portarias do governo federal, além de vídeos e material produzido pela própria CNM abordando a problemática das drogas nos Municípios brasileiros e as melhores formas de combate.

Clique aqui para ler o estudo da CNM e aqui  para conhecer o Observatório do Crack.

Leia mais 

Observatório do Crack divulga mapeamento dos Municípios de fronteira e a problemática das drogas